sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Ano novo?

Bom dia!

São sete e meia da manhã e parece que hoje será um dia mais fresco (ou menos quente) por aqui. A semana foi de torrar, e acho que isso não é novidade - pelo jeito foi no país inteiro! Com isso, dei uma folga para as lãs, alpacas e afins: não tricotei nem fiei nada. Mas ontem, já com saudade das agulhas, comecei a fazer um tapetinho de crochê para a cozinha - com fio de algodão! Lã, nesse calor, não dá. Há muito tempo eu não fazia crochê - talvez uns cinco anos... depois eu mostro no que deu.

O primeiro mês do ano já era e nessa época os fabricantes começam a lançar novos fios para o inverno. Eu sempre fico animadinha à espera das novidades, pois a esperança é a última que morre... mas morre. O Bazar Horizonte (site bem legal de comprinhas craft) já tem uma página de fios 2012 e a julgar por esses primeiros lançamentos creio que esse será mais um ano de sintéticos e pompons. De todos as novidades da página só esse aqui tem uma porcentagem de lã de verdade - 35%:

Mas esse é um fio tipo novelty; parece que a tradução é "novidade", mas não é: em inglês, fios novelty são aqueles bem "afrescalhados" - com pompons, pestanas, bolotas, penachos, etc. Ou seja, beeeeeeeeem longe dos clássicos, apropriados para um tricô bonito, bem trabalhado, com pontos que sobressaem.

O curioso é que no ano passado eu fiquei de olho nas vendas dos sites e percebi que os fios que esgotaram primeiro foram os clássicos. Será que os fabricantes não percebem que a gente quer fazer tricô (ou crochê) de verdade? A gente pode até ficar tentado a comprar um desses fios doidões e fazer um cachecol surreal, todo em ponto básico grandão, feito com agulhas enormes; mas quem gosta de tricotar ou crochetar mesmo sente falta de experimentar pontos novos, fazer peças elegantes... e aí tem de ser o fio clássico. Ainda dá para comprovar isso; - é só olhar as páginas de saldão das lojas online: quase tudo novelty.

Resta esperar os lançamentos das outras marcas. A Cisne vem, nos últimos dois ou três anos, lançando fios com porcentagens maiores de fibra natural. Estou apostando neles. Vamos ficar de olho! De tanto sonhar, quem sabe um dia a gente tem acesso a coisas assim:


Lindos, 100% naturais - mistura das raças Targhee e Columbia.

E vocês viram que cores? Ai, meus sais!

2 comentários:

Marina disse...

Jane Querida,
Já disse que amo seus escritos? Que você consegue colocar em palavras o meu pensamento?
Dia desses assisti à palestra de um grandão de uma empresa grandona. Pensei, já que ele veio até nós, as consumidoras, ele veio para nos ouvir, para saber exatamente o que queremos deles. Qual nada, ele veio para nos "comunicar" que os fios doidões como você chama vão continuar sendo fabricados e cabe a nós, as consumidoras, usar a nossa criatividade e transformar em arte toda aquela meleca que eles vão continuar fabricando. Pode????? Mas ainda bem que temos gente boa interessada em nos ouvir e já começamos a encontrar no mercado nacional fios de lã 100% que nos permite criar, ver um ponto nascer com sua beleza que só pode ser apreciada em fios tradicionais.

Beijo

Jane Bertolaccini disse...

Obrigada, Marina! Fico contente que goste de ler meus devaneios; quando leio opinião de pessoas como você, sinto que meus pensmaentos não estão tão na contramão assim - que há mais gente pensando como eu. Vamos torcer para que os grandões das empresas grandonas abram suas mentes, olhem a sua volta e percebam que a gente quer mais do que a gratificação fugaz dos fios alegóricos. Obrigada por compartilhar sua opinião. Essa guerra está só no começo, e se mais pessoas compartilharem suas opiniões no final a gente vai conseguir a atenção dos fabricantes. Abçs pra você!